Sindicato das Seguradoras
31 3271.0770

Em novembro, o Índice de Confiança e Expectativas das Seguradoras (ICES) teve alta, pelo segundo mês consecutivo, passando para 71,6, uma variação positiva de 10,2% em relação ao valor de outubro (65,0). O percentual calculado a partir de pesquisa realizada pela Fenacor ainda é inferior ao apurado há 12 meses (84,3), mas mostra que as seguradoras estão mais otimistas em relação a rentabilidade e ao faturamento, além da expectativa do mercado. O estudo revela ainda que 69% e 53% das empresas acreditam que o panorama melhorou e que não haverá piora, respectivamente.

De acordo o presidente da Federação, Armando Vergilio, dois fatores contribuem para a melhoria dos índices. “O mercado de seguros tradicionalmente apresenta resultados mais favoráveis no último bimestre do ano, o que ajuda a melhorar o ‘humor’ dos executivos do setor”, acredita Vergilio.

Ele acrescenta que, além disso, embora persista o cenário de instabilidade, o governo obteve alguns avanços no ajuste fiscal. “Há menos pessimismo porque houve algumas conquistas no Congresso Nacional, mesmo que ainda tímidas, como a redução do número de pautas-bombas no Congresso ”, assinala o executivo.

Para a pesquisa da entidade, foram entrevistas 100 grandes empresas do setor, que optaram por percentuais de 0 a 200 para a confiança na economia, rentabilidade e faturamento. Também foram apurados outros três indicadores: ICSS (de confiança do setor de seguros no Brasil), Índice de Confiança e Expectativas das Resseguradoras (ICER) e Índice de Confiança das Grandes Corretoras (ICGC). Todos os números tiveram alta, depois de meses em queda.

Aumento do otimismo

Na comparação para as análises de faturamento, confiança na economia e rentabilidade, as seguradoras seguem melhorando índices entre outubro e novembro.

Economia, rentabilidade e faturamento

O balanço também apurou informações com corretoras e resseguradoras com relação a suas expetativas sobre o futuro da economia. Os resultados apontam para um pessimismo geral. Destas, 65% das corretoras e 63% das resseguradoras esperam que o crescimento da economia seja pior ou muito pior, pelos próximos seis meses.

A pesquisa mostra ainda que 60% das corretoras e 64% das resseguradoras também estão pessimistas em relação a rentabilidade dos negócios. E quanto ao faturamento, 55% das corretoras acreditam em quedas nos próximos seis meses. Entre as resseguradoras, o percentual é de 36%.

L.S.
Revista Apólice

Ano

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER E OUTRAS NOVIDADES